<=Voltar para o site
Acesso a Área Restrita
Para vizulizar os cadidatos e necessário estar logado no site
Conta:
E-mail:
Senha:
Código de Segurança:
Click on me to change image

<=Voltar para o site
Para recuperar sua senha é preciso que você informe o E-mail que foi informado no ato do seu cadastro.
E-mail:
   
Copom reduz a taxa de juros para 7,5% ao ano; saiba como ficam seus investimentos com a nova Selic - Hora de Decidir - Por um Brasil mais justo e melhor!
Copom reduz a taxa de juros para 7,5% ao ano; saiba como ficam seus investimentos com a nova Selic
É a nona queda consecutiva dos juros
  Matéria publicada em 26 de Outubro de 2017 as 02:10:02
   Imagem: Reprodução
Imagem: Reprodução
O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) reduziu nesta quarta-feira a taxa básica de juros (Selic) em 0,75 ponto percentual, ficando em 7,5% ao ano, menor patamar desde abril de 2013. Esse é a nona queda consecutiva. O Banco Central tem reduzido a taxa desde outubro do ano passado, após um longo período em que os juros ficaram estabilizados em 14,25% ao ano.
A redução é inferior ao observado nas últimas quatro reuniões do comitê, de 1 ponto percentual, mas o movimento está em linha com o esperado pelo mercado e com o que foi sinalizado pelo Banco Central (BC) na última ata do Copom. A expectativa é que a autoridade monetária ainda realize mais uma redução este ano, dessa vez de 0,5 ponto. Assim, a taxa terminaria 2017 em 7% ao ano.
A decisão foi unânime entre a diretoria do BC. Em comunicado, o comitê avalia que o conjunto de indicadores da atividade mostram “sinais compatíveis com a recuperação gradual da economia brasileira” e que o cenário de inflação tem evoluído conforme o esperado. O texto diz ainda que o cenário considerado pelo Copom (com base na pesquisa Focus) supõe trajetória de juros que encerra 2017 e 2018 em 7% e eleva-se para 8% ao longo de 2019.
O comitê entendeu que a conjuntura econômica indica uma política monetária estimulativa, ou seja, com taxas de juros abaixo da taxa estrutural. E sinalizou que, para a próxima reunião, haverá uma “redução moderada na magnitude da flexibilização monetária”, com uma queda mais branda da taxa.
“O Copom ressalta que o processo de flexibilização continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, de possíveis reavaliações da estimativa da extensão do ciclo e das projeções e expectativas de inflação”, diz a nota do BC.
Entre os fatores positivos e que contribuem para a redução da Selic, o Banco Central cita possíveis efeitos secundários da queda nos preços de alimentos e de bens industriais. Por outro lado, ressalta que há uma frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas e ajustes necessários na economia brasileira, o que pode afetar prêmios de risco e elevar a trajetória da inflação no horizonte relevante para a política monetária.
IMPACTO EM FINANCIAMENTO
Esse patamar de juros traz, de forma direta, impacto sobre os custos de financiamento das empresas e das famílias e também obriga os investidores a buscarem aplicações mais rentáveis, o que muitas vezes significa maior risco. Além dos fatores diretos sobre capacidade de financiamento e aplicações, uma Selic mais baixa também ajuda na retomada do crescimento econômico.
Com a redução, a caderneta de poupança, embora rendendo menos, ganhará competitividade na comparação com fundos de investimento de renda fixa. A tradicional aplicação vai bater todos os fundos com taxa de administração igual ou superior a 2% ao ano em qualquer prazo, segundo cálculo da Anefac, associação que reúne executivos de finanças. De acordo com a Anefac, com a Selic em 7,5% ao ano, a poupança terá rendimento mensal de 0,43% ao mês.
Com a decisão desta quarta-feira, além de mexer nos juros, o Copom ativou um gatilho que altera a correção da aplicação financeira mais popular do país. Quando a taxa Selic fica abaixo de 8,5% ao ano, a caderneta de poupança deixa de render 6% ao ano, mais a Taxa Referencial (TR). Assim, o novo corte reduzirá sua rentabilidade. Mas ela ganha competitividade com relação a fundos de investimentos que acompanham de perto a Selic, como os fundos DI, que, além de perderem com cortes, cobram taxas de administração e imposto de renda com alíquota de até 22,5% para resgates de até seis meses.
Nos fundos que cobram 1%, o investimento vale à pena para período acima de 1 ano. Só os fundos que cobram 0,5% ao ano de taxa - que são difíceis de encontrar no varejo - batem a poupança em qualquer prazo de resgate.
Mas, para investidores de perfil mais conservador, que não estão acostumados a aplicações mais arriscadas em busca de melhor retorno, como a Bolsa, e preferem o universo da renda fixa, os títulos do Tesouro Direto ainda são uma opção interessante, mesmo no atual cenário de juros mais baixos, afirmam os especialistas em finanças pessoais.
A queda de juros também afeta os papéis do Tesouro Direto. Aqueles que acompanham a Selic chegaram a pagar até 14% ao ano, em 2016, quando ela ainda estava em patamar elevado. Com o movimento de queda da taxa, o rendimento desses títulos diminuiu, chegando aos atuais 8,25% ao ano.
Mas outros papéis do Tesouro Direto que pagam juros mais inflação e os chamados prefixados, em que o investidor sabe antecipadamente quanto vai ganhar, continuam oferecendo retornos até mais atraentes que a poupança, e sem risco de perda de patrimônio.
 
 
O Globo Online
Fonte: O Globo Online
           
Enviar Comentários.
Veja também!
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
FACEBOOK
PUBLICIDADE
Temos 73 usuarios on-line.
© Todos os direitos reservados a VIA CONECTE
Desenvolvimento PROMIX WEB
"Os justos brilharão como a luz do sol no Reino de Deus" (Mateus 13:43)