<=Voltar para o site
Acesso a Área Restrita
Para vizulizar os cadidatos e necessário estar logado no site
Conta:
E-mail:
Senha:
Código de Segurança:
Click on me to change image

<=Voltar para o site
Para recuperar sua senha é preciso que você informe o E-mail que foi informado no ato do seu cadastro.
E-mail:
   
Justiça afasta prefeito Arthur Brito, de Tucuruí - Hora de Decidir - Por um Brasil mais justo e melhor!
Justiça afasta prefeito Arthur Brito, de Tucuruí
Ele é acusado pelo MP de exigir R$ 2 milhões em fraudes de licitações da PMT
  Matéria publicada em 13 de Novembro de 2017 as 10:11:24
   Artur Brito (Imagem: Reprodução)
Artur Brito (Imagem: Reprodução)
Artur de Jesus Brito, prefeito de Tucuruí, foi afastado do cargo hoje, segunda-feira (13), por determinação do juiz substituto Pedro Enrico de Oliveira, respondendo pela 1ª Vara Cível e Empresarial da Comarca do município. A decisão atendeu pedido do Ministério Público do Estado do Pará que denunciou o gestor por improbidade administrativa.
No dia 8 deste mês a promotora Amanda Luciana Sales Lobato lavrou termo de depoimento prestado por Alexandre França Siqueira, sócio da empresa Siqueira Locações Ltda, que informou mobilização do prefeito, do secretário de Obras Florivaldo Vieira Martins e do chefe de gabinete Wilson Wischanski para realização de fraude em licitação.
De acordo com a denúncia, a empresa em questão mantinha contrato público-administrativo de locação de máquinas pesadas com a prefeitura. O sócio informou que no dia 16 de outubro, por volta de 19 horas, se encontrou no prédio da administração municipal com o secretário e o chefe de gabinete. Na ocasião, Wischanski teria solicitado, em nome do prefeito Artur Brito, que Alexandre alterasse as medições realizadas em obras públicas de responsabilidade da empresa, certificando a realização do dobro do serviço efetivamente prestado.
Alexandre informou, ainda, que o valor mensal aproximado das medições era de aproximadamente R$ 1 milhão e que os dois funcionários da prefeitura solicitaram serem dobrados os meses de outubro e novembro, o que geraria R$ 2 milhões em sobejo. A quantia, ainda de acordo com o depoimento, deveria ser entregue nas mãos do prefeito.
Alexandre afirma ter indagado qual seria a origem do recurso destinado à fraude, ao que o chefe de gabinete teria informando que havia um elevado valor depositado na conta de ICMS da prefeitura junto à conta no Banpará. Declinou, ainda segundo o depoimento, que a incumbência de formular a proposta havia partido do próprio prefeito e que este determinou que "um assunto" deveria ser resolvido pelo chefe de gabinete, sendo que a solução para o "assunto" estava no contrato firmado entre a Fazenda Pública Municipal e a empresa representada por Alexandre.
De acordo com a denúncia, Alexandre se negou a realizar as medições e ouviu dos dois funcionários que o momento era oportuno para a gestar do prefeito contar com parceiros, sendo que se Alexandre participasse da fraude essa seria uma demonstração de que não era parceiro do prefeito.
Diante da negativa de participação, no dia 7 deste mês, a empresa foi notificada pela prefeitura de que seria realizada a rescisão unilateral dos dois contratos público-administrativos firmados entre as partes. Para o MP e para o sócio da empresa, isso foi represália diante da negativa em participar da fraude. Ele acrescentou ter conhecimento de que uma empresa de Parauapebas estaria firmando pré-acordo com a prefeitura de Tucuruí para agir ilegalmente.
Outra sócia da empresa, Mariza Costa, também prestou depoimento informando ter recebido no final de outubro diversas chamadas telefônicas do Secretário de Obras e do chefe de gabinete, ambos solicitando reuniões urgentes com Alexandre, mas sem informar o teor. Ela acrescentou que a mãe do prefeito, Josinede Silva Brito, que atualmente está presa pela morte do ex-prefeito do município, também telefonou procurando por Alexandre e afirmando ter assunto importante para tratar com ele.
Por fim, os promotores ainda sustentaram na denúncia que desde setembro de 2017 o portal da transparência não é atualizado em relação às despesas realizadas, o que está impossibilitando a fiscalização pelo MPPA.
O magistrado determinou o afastamento a partir do dia e hora que o prefeito for notificado, acrescentando que em até 24 horas o presidente da Câmara Municipal de Tucuruí deverá assumir o cargo, uma vez que está vago o cargo de vice-prefeito do município.

Fonte: Correio de Carajás
Fonte: Correio de Carajás
           
Enviar Comentários.
Veja também!
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
FACEBOOK
PUBLICIDADE
Temos 92 usuarios on-line.
© Todos os direitos reservados a VIA CONECTE
Desenvolvimento PROMIX WEB
"Os justos brilharão como a luz do sol no Reino de Deus" (Mateus 13:43)